Nova Tradução na Linguagem de Hoje (NTLH)

quarta-feira, 13 de abril de 2011

Êxodo 1 a 2 (dia 13) + Gênesis 49 a 50

LIVRO DE GÊNESIS - CAPÍTULO 49

Jacó chamou os seus filhos e disse:
- Fiquem em volta de mim, e eu lhes direi o que vai acontecer com vocês no futuro.

- Fiquem reunidos em volta de mim para ouvir, filhos de Jacó; escutem o que diz Israel, o seu pai.

- Rúben, você é o meu filho mais velho. Você é a minha força, o primeiro fruto do meu vigor, o mais orgulhoso e o mais forte dos meus filhos. Você é violento como a correnteza, porém não será o mais importante, pois dormiu com a minha concubina, desonrando assim a cama do seu pai.

- Simeão e Levi são irmãos; com as suas armas praticam violências. Não estarei presente quando fizerem planos, não tomarei parte nas suas reuniões, pois no seu furor mataram homens e por brincadeira aleijaram touros. Maldito seja o furor deles, pois é violento! Maldita seja a sua ira, pois é cruel! Eu os dividirei na terra de Israel, eu os espalharei no meio do seu povo.

- Judá, os seus irmãos o louvarão e se curvarão na sua frente. Você segurará os inimigos pelo pescoço. O meu filho Judá é como um leãozinho quando mata a sua vítima; ele se agacha e se deita como um leão e como uma leoa. Quem tem a coragem de mexer com ele? Judá vai segurar o cetro de rei, e os seus descendentes sempre governarão. As nações lhe trarão presentes, os povos lhe obedecerão. Ele amarra o seu jumentinho numa parreira, na melhor parreira que há. Ele lava as suas roupas no vinho, lava a sua capa no vinho cor de sangue. Os seus olhos estão vermelhos de beber vinho, os seus dentes estão brancos de beber leite.

- Zebulom morará no litoral, onde haverá portos para navios. A sua fronteira chegará até Sidom.

- Issacar é como um jumento forte, deitado entre as suas cargas. Quando viu que o país era bom e agradável para descansar, ele se abaixou para que colocassem a carga nas suas costas e, sem reclamar, trabalhou como um escravo.

- governará a sua própria gente; será como as outras tribos de Israel. Dã será como uma cobra na beira da estrada, como uma serpente venenosa no caminho, que morde a pata do cavalo, fazendo cair para trás o seu cavaleiro.

- Ó SENHOR, meu Deus, espero que me salves!

- Gade será atacado por um bando de ladrões, mas depois ele os perseguirá.

- A terra de Aser produzirá bons alimentos, dará alimentos que só reis merecem.

- Naftali é como uma corça solta que tem lindos filhotes.

- José é como uma planta perto de uma fonte; ela dá muita fruta, e os seus galhos sobem pelo muro. Os inimigos o atacam com violência e o perseguem com os seus arcos e flechas. Porém o seu arco ficou firme, e os seus braços continuaram fortes pela força do Poderoso de Jacó, pelo nome do Pastor, a Rocha de Israel. O Deus do seu pai ajudará José, o Todo-Poderoso lhe dará bênçãos - bênçãos do alto céu, bênçãos de águas que ficam debaixo da terra, bênçãos de muitos animais e muitos filhos, bênçãos de cereais e de flores, bênçãos de montanhas antigas, coisas deliciosas dos montes eternos. Que todas essas bênçãos estejam sobre a cabeça de José, sobre a testa daquele que foi escolhido entre os seus irmãos.

- Benjamim é como um lobo feroz; de manhã devorará a vítima e de tarde repartirá as sobras."

São essas as doze tribos de Israel, e foram essas as palavras que o pai disse aos seus filhos quando os abençoou; a cada um deu uma bênção especial.



Então Jacó deu aos filhos a seguinte ordem:
- Eu estou para morrer e me reunir com o meu povo no mundo dos mortos. Sepultem-me onde estão enterrados os meus antepassados, na caverna que fica nas terras de Efrom, o heteu, em Macpela, a leste de Manre, no país de Canaã. Abraão comprou de Efrom essa caverna e o terreno onde ela fica, para ser a sepultura da família. Ali estão sepultados Abraão e Sara, a sua mulher; Isaque e a sua mulher Rebeca; e ali eu sepultei Léia. O terreno e a caverna foram comprados dos heteus.

Quando acabou de dar essa ordem aos filhos, Jacó deitou-se de novo na cama e morreu, indo reunir-se assim com o seu povo no mundo dos mortos.



LIVRO DE GÊNESIS - CAPÍTULO 50

José se atirou sobre o pai, chorando e beijando o seu rosto.

Ele deu ordem aos médicos que estavam ao seu serviço para embalsamarem o corpo do seu pai, e assim eles fizeram. Gastaram quarenta dias para fazer isso, o tempo normal para embalsamar um corpo. E os egípcios ficaram de luto setenta dias.

Quando passou o tempo do luto, José falou com os altos funcionários do palácio do rei do Egito.

Ele disse:
- Façam o favor de levar ao rei a seguinte mensagem:

"Quando o meu pai estava para morrer, ele me fez jurar que eu o enterraria na sepultura que ele mesmo preparou no país de Canaã. Por favor, deixe-me ir sepultar o meu pai, que depois eu voltarei."

O rei respondeu:
- Vá e sepulte o seu pai, como ele fez você jurar que faria.

E assim José foi sepultar o seu pai.

Com ele foram as autoridades ligadas ao rei, os altos funcionários do palácio e todos os líderes do Egito. Foram também as famílias de José, dos seus irmãos e de Jacó. Deixaram na terra de Gosém somente as crianças pequenas, as ovelhas, as cabras e o gado. Também foram homens a cavalo e em carretas, de modo que o grupo era muito grande.

Quando chegaram a Atade, que fica a leste do rio Jordão, fizeram uma cerimônia de enterro num terreiro onde o trigo é malhado. Ali choraram muito alto durante sete dias.

Quando os moradores de Canaã viram tanta gente chorando, disseram:
- Como é impressionante o choro desses egípcios!

Por isso puseram naquele lugar o nome de Abel-Misraim.

Assim, os filhos de Jacó fizeram com o seu pai tudo o que ele havia ordenado. Eles levaram o seu corpo até Canaã e o sepultaram na caverna de Macpela, a leste de Manre, no terreno que Abraão havia comprado de Efrom, o heteu, para ser a sepultura da família.

Depois do sepultamento, José voltou para o Egito com os irmãos e com todos os que o haviam acompanhado.

Depois da morte do pai, os irmãos de José disseram:
- Talvez José tenha ódio de nós e vá se vingar de todo o mal que lhe fizemos.

Então mandaram dizer a José:
- Antes que o seu pai morresse, ele mandou que pedíssemos a você o seguinte: "Por favor, perdoe a maldade e o pecado dos seus irmãos, que o maltrataram." Portanto, pedimos que perdoe a nossa maldade, pois somos servos do Deus do seu pai.

Quando recebeu essa mensagem, José chorou.

Depois os próprios irmãos vieram, se curvaram diante dele e disseram:
- Aqui estamos; somos seus criados.

Mas José respondeu:
- Não tenham medo; eu não posso me colocar no lugar de Deus. É verdade que vocês planejaram aquela maldade contra mim, mas Deus mudou o mal em bem para fazer o que hoje estamos vendo, isto é, salvar a vida de muita gente. Não tenham medo. Eu cuidarei de vocês e dos seus filhos.

Assim, ele os acalmou com palavras carinhosas, que tocaram o coração deles.



José ficou morando no Egito, ele e a família do seu pai. José viveu cento e dez anos e chegou a ver os netos de Efraim. Ele também pegou no colo, como membros da família, os filhos do seu neto Maquir, que era filho de Manassés.

Certo dia, José disse aos irmãos:
- Eu vou morrer logo, mas estou certo de que Deus virá ajudá-los e os levará deste país para a terra que ele jurou dar a Abraão, a Isaque e a Jacó.

Então José pediu à sua gente que fizesse um juramento.

Ele disse:
- Estou certo de que Deus virá ajudar vocês. Quando isso acontecer, levem o meu corpo com vocês.

José morreu com cento e dez anos. O seu corpo foi embalsamado e posto num caixão, no Egito.



LIVRO DE ÊXODO - CAPÍTULO 1

São estes os nomes dos filhos de Jacó que foram com ele para o Egito, cada um com a sua família:

* Rúben,
* Simeão,
* Levi,
* Judá,
* Issacar,
* Zebulom,
* Benjamim,
* ,
* Naftali,
* Gade e
* Aser.

Os descendentes diretos de Jacó eram setenta pessoas ao todo. José, o outro filho, já estava no Egito.

Mais tarde, José e todos os seus irmãos morreram, e também todos os outros daquela geração. Mas os descendentes de Jacó, os israelitas, tiveram muitos filhos e aumentaram tanto, que se tornaram poderosos. E eles se espalharam por todo o Egito.

Depois o Egito teve um novo rei que não sabia nada a respeito de José.

Ele disse ao seu povo:
- Vejam! O povo de Israel é forte e está aumentando mais depressa do que nós. Em caso de guerra, eles poderiam se unir com os nossos inimigos, lutariam contra nós e sairiam do país. Precisamos achar um jeito de não deixar que eles se tornem ainda mais numerosos.

Por isso os egípcios puseram feitores para maltratar os israelitas com trabalhos pesados.

E assim os israelitas construíram as cidades de Pitom e Ramessés, onde o rei do Egito guardava as colheitas de cereais. Porém quanto mais os egípcios maltratavam os israelitas, tanto mais eles aumentavam.

Os egípcios ficaram com medo deles e os tornaram escravos, tratando-os com brutalidade. Fizeram com que a vida deles se tornasse amarga, obrigando-os a fazer trabalhos pesados na fabricação de tijolos, nas construções e nas plantações.

Em todos os serviços que os israelitas faziam, eles eram tratados com crueldade.



O rei do Egito deu a Sifrá e a Puá, que eram parteiras das mulheres israelitas, a seguinte ordem:
- Quando vocês forem ajudar as mulheres israelitas nos seus partos, façam o seguinte: se nascer um menino, matem; mas, se nascer uma menina, deixem que viva.

Porém as parteiras temiam a Deus e não fizeram o que o rei do Egito havia mandado. Pelo contrário, deixaram que os meninos vivessem.

Então o rei mandou chamar as parteiras e perguntou:
- Por que vocês estão fazendo isso? Por que estão deixando que os meninos vivam?

Elas responderam:
- É que as mulheres israelitas não são como as egípcias. Elas dão à luz com facilidade, e as crianças nascem antes que a parteira chegue.

As parteiras temiam a Deus, e por isso ele foi bom para elas e fez com que tivessem as suas próprias famílias. E o povo de Israel aumentou e se tornou muito forte.

Então o rei deu a seguinte ordem a todo o seu povo:
- Joguem no rio Nilo todos os meninos israelitas que nascerem, mas deixem que todas as meninas vivam.



LIVRO DE ÊXODO - CAPÍTULO 2

Um homem e uma mulher da tribo de Levi casaram.

A mulher ficou grávida e deu à luz um filho. Ela viu que o menino era muito bonito e então o escondeu durante três meses.

Como não podia escondê-lo por mais tempo, ela pegou uma cesta de junco, tapou os buracos com betume e piche, pôs nela o menino e deixou a cesta entre os juncos, na beira do rio. A irmã do menino ficou de longe, para ver o que ia acontecer com ele.


A filha do rei do Egito foi até o rio e estava tomando banho enquanto as suas empregadas passeavam ali pela margem. De repente, ela viu a cesta no meio da moita de juncos e mandou que uma das suas escravas fosse buscá-la. A princesa abriu a cesta e viu um bebê chorando.


Ela ficou com muita pena dele e disse:
- Este é um menino israelita.

Então a irmã da criança perguntou à princesa:
- Quer que eu vá chamar uma mulher israelita para amamentar e criar esta criança para a senhora?

- Vá - respondeu a princesa.


Então a moça foi e trouxe a própria mãe do menino.

Aí a princesa lhe disse:
- Leve este menino e o crie para mim, que eu pagarei pelo seu trabalho.

A mulher levou o menino e o criou.

Quando ele já estava grande, ela o levou à filha do rei, que o adotou como filho.

Ela pôs nele o nome de Moisés e disse:
- Eu o tirei da água.



Moisés já era homem feito.

Um dia, ele saiu para visitar o seu povo e viu como os israelitas eram obrigados a fazer trabalhos pesados. Viu também um egípcio batendo num israelita, um patrício seu. Moisés olhou para os lados e, vendo que não havia ninguém ali, matou o egípcio e escondeu o corpo na areia.

No dia seguinte voltou e viu dois israelitas brigando.

Então perguntou ao que maltratava o outro:
- Por que você está batendo no seu patrício?

O homem respondeu:
- Quem pôs você como nosso chefe ou nosso juiz? Você está querendo me matar como matou o egípcio?

Então Moisés ficou com medo e pensou: "Já descobriram o que eu fiz."

Quando o rei do Egito soube do que Moisés havia feito, quis matá-lo; porém ele fugiu e foi morar na terra de Midiã.





Jetro, o sacerdote de Midiã, tinha sete filhas.

Certo dia, quando Moisés estava sentado perto de um poço, elas vieram tirar água e encheram os bebedouros para dar de beber às ovelhas e às cabras do seu pai. Então chegaram alguns pastores e começaram a enxotar as moças dali. Porém Moisés se levantou, e as defendeu, e deu água aos animais.

Quando elas voltaram ao lugar onde o seu pai estava, ele perguntou:
- Por que é que vocês voltaram tão cedo hoje?

Elas responderam:
- Um egípcio nos defendeu dos pastores, tirou água para nós e ainda deu água para os nossos animais.

- E onde está ele? - perguntou Jetro. - Por que vocês o deixaram lá? Vão chamá-lo para que venha jantar com a gente.

Depois Jetro convidou Moisés para ficar morando ali, e ele aceitou. Então Jetro lhe deu a sua filha Zípora em casamento.

Quando ela teve um filho, Moisés pôs nele o nome de Gérson e disse:
- Sou hóspede em terra estrangeira.

Alguns anos depois o rei do Egito morreu, mas os israelitas continuaram gemendo por causa da sua escravidão. Eles gritavam pedindo socorro, e os seus pedidos chegaram até Deus.

Deus ouviu os gemidos deles e lembrou da aliança que havia feito com Abraão, com Isaque e com Jacó. Deus viu a escravidão dos israelitas e ficou preocupado com eles.

Nenhum comentário:

Postar um comentário